Nº de visitantes por País

free counters

04 janeiro 2017

VIOLÊNCIA NO AMOR. AMORES QUE SE PERDEM TRAGICAMENTE


DÚVIDAS E PERGUNTAS...
NÃO HÁ CERTEZAS
O AMOR É O QUE DE MELHOR EXISTE
E O MELHOR - NÃO ESQUEÇA -
NUNCA É FÁCIL

NOVO COMENTÁRIO COM DANI DA TERRA
















DANI DA TERRA

seu testemunho é uma acção importante, corajosa, e tem uma utilidade imensa, ela vai chegar a outras pessoas e lhes fazer a entender que o que a Dani percebeu (tarde), há sempre um início quando uma pessoa tem instintos violentos. E como a Dani disse o seu amor disse tudo quando mudou suas chaves de internet, computador, redes sociais, ele mostrou que não era um igual, e pior que tudo isso manifestou pela primeira vez uma indisposição face aos direitos que o outro sempre tem, exista o amor que exista, um espaço de autonomia do ser, da vontade e de liberdade.

O ser que ama tem de entender que não é proprietário de outrem, apenas tem a sorte, a felicidade, a alegria ou bênção, de receber do ser que ama uma resposta maravilhosa de entrega, de dádiva, de amor, de ternura. E juntos caminharão pelo mundo fora de mão dada. Tudo isso é a magia de amar. Mas o amor são duas pessoas que podem até se entranhar até ao absurdo se fazendo numa só, se esse acto é de potencia igual dos dois, que assim o querem e se desfrutam e se ligam de um modo que parece nada mais existir. Mas mesmo neste amor, que denomino de amor feliz, a alegria de um só pode ser considerada e aceite se o outro tiver todas as possibilidades de ser feliz, se tiver a parte que necessita, deseja quer, para na sua individualidade buscar o que a satisfaz, o que lhe faz falta, o que deseja.

Não violando códigos de ética amorosos, (tipo fidelidade, respeito, etc...) tudo deve ser liberto a cada um. e a essência é a confiança. Se não existe nada se pode fazer, a destruição será um corolário inevitável.

A Dani sofreu, como milhares de pessoas sofrem, de um modo que para mim não tem explicação nem é sequer aceitável. Não compete a qualquer ser humano cercear a liberdade e ser violento com outro ser igual.

Eu considero intolerável um homem violentar uma mulher, e sabendo que existe, ainda mais confusão me fazia - hoje já entendo - como podiam algumas mulheres escravizar os seus amores ou maridos ou companheiros. Não entendo como entre namorados já existe briga e se segue até um casamento.

É verdade que existe muita loucura no amor. e é verdade que o amor não é um sentimento fácil.

Todos pensam que amam e foram amados mas eu creio que poucos tiveram mo privilégio de conhecer o amor a sério e vivê-lo nem que por poucos instantes. A maior parte dos homens nasce, cresce, casa, tem filhos, netos, envelhece e morre sem nunca ter conhecido o amor.

O amor quer entrega e quer sempre mais pois é um movimento de convergência entre dois seres que se querem integrar numa coisa absolutamente magnífica e ímpar, e seguir até ao fim dos tempos. O amor não se pode alimentar de perversões, violências, jogos de poder, dominação, força, desconfianças, dúvidas.

Como a DANI alertou e de excelente modo, houve um sinal claro de prepotência, de força, de imposição, de falta de respeito, de falta de confiança. Seria como ela bem disse o momento para seguir outro caminho. Essa era a via da racionalidade. Mas, que fazer quando o peso do coração, o desejo interior, está cego, pois está ofuscado por algo maravilhoso que não entende estar sob fogo.

Para todas as mulheres, reforçaria a ideia base, ao primeiro comportamento duvidoso, de força, de violência, tentem pensar. Não é fácil. Tentem racionalizar,e pelo menos mantenham-se atentas. Como percebemos da intensa descrição da Dani a violência pode esconder-se atrás de um ar angelical, de comportamentos ternos, de beijos profundos e de olhares que nos parecem catapultar ao paraíso.

Duvidar é a palavra. Como dizem os filósofos muitas dúvidas e muitas perguntas. E ver se não caímos na desgraça de ver um mundo construído com carinho e amor transformar-se num campo desolado e de destruição.

Obrigado Dani da Terra pelo modo corajoso como nos trouxeste a tua experiência.

NAMASTÉ









Sem comentários: