31 dezembro 2011

Tanto mar, azul, imenso, o céu... o oceano... sem fim



Azul imenso
mar, imensidão de azul
se entregando de mão dada
céus e mares
num turbilhão formidável de azuís
onde estás
num olhar sem fim
que procuro ver lá dentro
na essência
de ti

Olho todo esse azul
e sinto que me perco
na incomensurável beleza
desse olhar o mar
em revoltas ondinhas
que explodem salpicando beijos
espalhando caricias
num infindável
ondulado de azul

É o mar, o oceano
o que nos separa
tocando ao de leve o que nos une
o céu infinito que tudo abraça
e me leva a sentir-te
ao meu lado
mergulhada no azulado
mar tranquilo
que se espreguiça
sonolento na praia

Azul, o oceano e o céu
esse mar imenso e belo
esse manto onde os nossos passos
não se podem ouvir
onde as mãos dadas não se podem ver
onde o beijo que trocamos
está salpicado de sal
de mar, de desejo, de amor
nesse infindável espaço
em movimento cheio de azul
que nos chama
e nos une

Oceano, mar sem fim
azul e mais azul
longe o perto, o olhar
as mãos dadas, o abraço
a praia, o sol ao longe
o vento, as areias finas
acariciadas por espumas brancas
soltas, que saltam loucas de alegria
de um mar terno, embalador,
que no seu azul, parece
embalar, com afecto supremo
um amor feliz

Olhando o mar
na praia, nesta ponta do mundo
e sabendo-te do outro lado da terra
levanto os braços ao céu
e embriagado em turbilhões de azul
perdido na doçura e profundidade do teu olhar
me perco, e sonho, e deliro,
enquanto em desnorte navego
sem rumo e à sorte
à procura de ti

Do mar, do oceano, do céu
do azul que me acaricia
da brisa, do teu olhar

17 dezembro 2011

Acordei hoje de manhã, surpreso...




Hummmmmmm…
Bom dia
acordei esta manhã, ouvindo uma musiquinha muito suave e terna
estranhei
todos os dias acordo entre silencios e um vazio
abri os olhos e sorri
ao meu lado, bem à minha beirinha
estava pachorrenta a minha estrela brilhante
cheia de cores, e exalava por todos os lados uma música suave
que parecia de encantar
Surpreso, estendi a mão, e ela veio pousar entre os meus dedos
saltitou brincalhona de um para o outro, e outro dedo
e num salto divertido e acrobático veio ao meu ouvido e me segredou
"- tens sorte Pedro, és um homem feliz, a tua princesinha
essa que tens do outro lado do mar, e que seduziu teu coração
envou para ti, esta música, e expressou a vontade que te diga
que lhe não és indiferente e que podes continuar a sonhar"
E, roçando delicadamente a minha face, me pousou um beijinho teu
"Foi ela, ela é linda Pedro, dá-lhe tudo que tens de melhor. Foi ela"
e se foi, voando, não sem antes rodopiar pelos ares
Eu, feliz, gritei a plenos pulmões; BOM DIA MEU AMOR, TE ADORO
E me levantei






Esta noite não pude dormir...



Esta noite não pude dormir
estava apreensivo
sentia-me só, um pouco triste, um pouco vazio, melancólico
os meus pensamentos estavam longe de mim
andavam no outro lado do mundo, depois do mar,
sentia cosinhas intensas inexplicáveis
lindas, belas, fantásticas, bonitas, suaves
era um turbilhão de sensações
e pensava, desordenadamente, sem tino,
mas, de tudo o que me vinha à ideia
me sentia bem, porque te conheci,
e sentia que algo estava a entrar na minha vida
e existia magia, sonho, encanto,
estava melancólico, entre pensamentos, quando uma estrelinha
linda, muito brilhante, entrou no meu quarto
e mostrando mil cores, pousou no meu ombro
e me disse: "Espera e confia Pedro, eu entendo, ela é linda
e estás a enamorar-te, não temas, descansa, é lindo,
dorme meu amigo, que eu num instantinho vou por ti
e levo tudo o que sentes, e podendo, vou pousadamente,
dar por ti um beijinho cheio de ternura no teu amor"
E foi, a estrelinha atravessou o mar, feliz fez piruetas em pleno vôo
e entrou no teu quarto, quando dormias, falou-te baixinho ao ouvido.
... voltou a estrelita, brilhando e feliz, e me disse:
"Pedro, o teu amor é lindo, fiz como te prometi, lhe contei tudo o que sentes
e sabes? Ela sorriu, de mansinho, tranquila... e ficou bem
muito bem, quando lhe depositei na face o teu terno beijinho"
Foi nesse momento, então, que adormeci...




08 dezembro 2011

Olhar as coisas simples, voltar à natureza






Do outro lado do mar e do mundo, existem lugares fantásticos, lindos, de enorme beleza, ainda à espera de serem descobertos. Nessa imensidão de tranquilidade e harmonia pode o homem edificar o castelo que idealizou, resistente aos anos e às intempéries, onde, de mão dado com a sua princesita, pode, até ao fim do mundo, disfrutar de uma existencia maravilhosa, tranquila e feliz.

Existem tantos lugares assim belos mundo fora, livres do desenvolvimento desenfreado, que tudo, numa voragem impiedosa, tem destruído.

A verdadeira civilização vai ser um regresso a tempos de equilibrio, em que os homens sabiam bailar, e faziam filhos, e com suor se ganhava o pão de cada dia, onde as familias se uniam à volta da mesa, todos juntos, e aí passavam, se apoiando e protegendo, constituindo a base social, uma vida.

O mundo está dilacerando as pessoas, arrasado em milhentos problemas aparentemente insolúveis, e as pessoas, as familias, as instituições, as empresas, tudo parece em agonia.

Temos de voltar a olhar as coisas simples, e a procurar, com inteligencia e bom senso, um caminho que seja possível enveredar, e que nos leve a uma existencia tranquila, saudável, com esperança, num futuro, que de outro modo, dificilmente dse vislumbra.