Nº de visitantes por País

free counters

12 março 2010

O teu reflexo... ao luar



Retenho e contemplo
O teu olhar,
Noite fora, entre as brumas,
Cada vez que olhando o céu,
O vejo distintamente
Entre as estrelas,

Ao luar.

11 março 2010

Passou um ano...



Um dia destes as flores, com a chegada da Primavera tudo vão invadir, apregoando, desse modo evidente, que mais um ano florido vai alegrar a nossa existência, e que as agruras e vicissitudes da invernia, rapidamente irão povoar os campos cada vez mais longínquos do nosso esquecimento.

Cada ano é assim, mesmo que nestes conturbados tempos a luta contra uma globalização das próprias intempéries, as mudanças climatéricas e os aquecimentos provocados por efeitos de estufas e outras coisas demasiado técnicas, insistam em nos querer levar a outros mundos, a outras realidades, que se podem ver espelhadas de tempos imemoriáveis, ou como uma adivinhação mágica de um futuro qualquer.

Há um ano atrás, apareciam então, tal como hoje, as primeiras florinhas salpicando de cores a natureza. Os campos vestidos de um verdinho amarelado, polvilhado de pintinhas de cores, mostravam-se pujantes, frescos, húmidos, e prometiam vida e fartura.

Há um ano atrás, coloquei a primeira mensagem neste meu blogue. Ele existia, mas não tinha nada além da fotografia de abertura e o nome. Por imensos desconhecimentos técnicos, estava quedo, ávido de um arranque, do feito essencial de tomar corpo e de voar. Em 10 de Março de 2009, coloquei aquilo que seria a primeira comunicação e com ela arrancou decididamente este projecto de fazer algo que sendo meu, seria entregue a cada um que por aqui deambulasse, por aqui deitasse o olho em busca de algo novo.

O Kampus de Ideas nasceu. Está por aqui. É de todos aqueles que espreitam, que olham, que lhe dedicam um momento, uma atenção. É feito sem pretensões de qualquer tipo, não sou nem poeta, nem filósofo, nem conhecedor de nada. Aprendo. Olho. Preciso comunicar-me, ver, chegar, e correr mundo fora, buscando algo que possa ter alguma valia. Aqui coloco as minhas tímidas fotos, não sendo um fotógrafo conceituado, mas tão só um curioso possuidor de uma maquineta dos retratos que vai buscando imagens, e que com elas procura mais embelezar este espaço de internet, que outro qualquer tipo de reconhecimento. Aqui coloco coisas que com palavras, e com a colocação ads mesmas em linhas, ordenadamente, e em grupos, parecem poesias. Não sou um poeta, apenas alguém que busca musicalidade no que sente e procura, a maior das vezes, sem sucesso, descrever esse sentir. Não tenho conhecimentos para vender nem ideias, nem apregoar saberes, tenho dúvidas (cada vez mais) e muitas vezes me engano.

Como dizia, sou apenas uma pessoa, que há um ano tem este projecto aqui, no ar, que é de todos, que é simultaneamente animo e alegria, busca de encontrar, e teimosia de estar. Enquanto tiver uma ou ou outra visita, e enquanto sentir que tem alguma valia, vou procurar alimentá-lo, dando-lhe, sempre que possível, mais palavras, mais imagens, mais de mim.

Passou um ano, o Kampus de Ideas vai arriscar manter-se por mais um. Vai tentar ser. Se possível melhorar. Ser de todos e estar com aqueles que o buscam. Obrigado a todos aqueles que apoiaram, e ajudaram, e ainda vão dando uma espreitadela, de vez em quando. Muitas graças, um bom ano a todos.








Estar aqui
Convosco
Lado a lado
Em cada momento

É como se estando só,
Te tivesse comigo,
Estivéssemos juntos,
Falássemos,
Nos olhássemos,
E sentíssemos
Que o caminho é nosso
Que caminhamos
Subimos
Ao encontro de nós
E de cada um.

Estar aqui
É partilhar
É dar
Mas sobretudo é estar
Contigo

Estar aqui
É manter viva
Com ânimo
Uma jornada que é vida
Que é sentir
Que juntos
Seguimos melhor.

Estar aqui
Um ano, venha outro,
É não desistir
É ateimar
Que melhor vamos
Se recebermos
E nos dermos
Quando juntos
Nos comunicamos
Num ano,
Venha outro,
Nosso,
Aqui,
Juntos.







08 março 2010

8 de Março - Dia Internacional da Mulher




8 de Março - Dia da Mulher

Se eu fosse poeta
Todo o tempo do dia de hoje
Não seria bastante
Para dizer de ti
Tudo o que creio
E te pertence

Se fosse poeta
Como dizê-lo do melhor modo?
... como é belo olhar-te!
... como é lindo pensar-te!
... como é sonho sentir-te!
... como é maravilhosamente magia
Ser mulher, em cada instante,
E, naturalmente mais,
Hoje, que é teu dia.

Tocar-te
Olhar-te
Ver-te passar
É graça, é melodia
Saber-te mãe,
Avó, irmã, amiga,
Ter-te, ao lado,
Próximo,
É simplesmente
harmonia.

Mulher,
se eu fosse poeta,
Só de pensar no amor,
Na entrega, no que dás,
Sempre,
Não saberia descrever,
Minuciosamente,o que és,
Não saberia cantar,
Em palavras e sons,
A tua essência,
Mulher,
Magia,
Fantasia,
Encanto,
Agora e sempre,

Não em exclusivo, hoje,
Mas também, neste
Teu dia

Se eu fosse poeta...