Nº de visitantes por País

free counters

30 junho 2009

Cláudia… Flor? Ou amor?



Acordei em sobressalto quando no meu sono se agitou
O leito, o vento, as estrelas flutuando macias no pensamento
Olhei buscando nessa procura a razão de acordar, de ser,
Aqui e ali, de novo, um ser em acto de vida, a respirar
Acordei quando tudo abanou num sussurro e ouvi, distinto,
Vozes ansiosas chamando por flores? Ou por amores?
Acordei, quando o sobressalto fez explodir luzinhas
De mil cores, brilhando, pelos céus, atrás das nuvens, ali,
Tão perto que nesse acordar, nos sons das tais vozes
Percebi que as flores não eram mais que amores soltos
Paixões em delírio querendo abraçar, tocar, e sentir
O calor dos beijos, os abraços, o tocar, suave, a ti,
Que acordaste apaixonado sem saber que o amor
Voltara de longe, atravessara o mar, subira e descera
Para estar ao teu lado, para te acordar desse sono
Que parecia uma morte sem fim, um gelo, um sopro…
Acordei, não pelos ventos, ou ais, ou vendavais,
Mas porque atravessaste o mar e fresca, me salpicaste
De mil mares, de sais, de sonhos e de devaneios húmidos
Se exorcizando em entregas ilimitadas de paixão
E, nesse leito onde jazia sem vida, hibernando, te deitaste
Parecendo flor – Cláudia – ou simplesmente um amor
Dando vida, dando esperança, levantando para o mundo
Ou, nesse beijo, pleno de odores das flores, em êxtase
Da escuridão libertando, dando alento, ou apenas acordando

Acordei … e, vi-te, amor ou simples flor, chegada das praias
De areia luminosa e de rochas doiradas do outro lado de um mundo
Que sabemos apenas existir entre as sombras inertes de um vazio
Que teima alimentar-se dos nossos desejos mais loucos, insensatos,
Dos sonhos mais belos de quem sem vida teima em não morrer

Acordei… com ou sem vida, contigo, encostada no meu peito
Possuindo o meu corpo e o meu ser, fora e dentro, de mim,
Fosses ou não flor, ou fosses mesmo esse amor, essa Cláudia,
Vieste do outro lado do mar, e nesse molhar, de águas revoltas
Fizeste de novo, que encontrasse a vida, nesse novo acordar
.

1 comentário:

mariam disse...

Pedro,

Fantástico este poema!

Tenho por aqui estado, a 'ler-te'...
há tanto que não o fazia... é bom voltar aqui, as tuas imagens são lindas... e as palavras não menos...


deixo uma mão-cheia de cerejas e o meu sorriso :)
mariam

nota:já estava com saudades deste 'Universo' tão especial... mas tive alguns problemas informáticos rsrs