11 março 2009

Um cruzado perdido...



A Ginny, a cadela da minha filha Helena, de repente deu um pulo, abocanhou algo do chão do pátio, e eu, sabendo que a pobre boxer é chalupa de todo, gritei... algo foi catapultado pelos ares caindo nos mosaicos.

Fui ver... ufffff, que descoberta mais louca, mesmo para o Olhares. A calhar, ele há horas de sorte. Uma aranha estranhíssima castanhinha, rechonchuda, com uma pintas brancas nos costados parecendo fazer uma cruz.

Chamei-lhe imediatamente "cruzado" em memória do ditoso Ricardo coração de aranha.. perdão de leão, creio. Tenho dúvidas. Não sei.

E pus-me de cócoras. De gatas. A maquineta dos retratos na mão. Anda para trás, para a frente, para, aponta... e nova corrida de gatas, para um e outro lado.

Como raio é que esses malucos das macros que tiram fotos a mosquitos em fato de banho apanham os animais em pose? Perguntava-me a mim mesmo, enquanto quase deitado para a frente e para trás. Atrás do dito cruzado que parecia chegar cheio de speed da terra santa. Ainda para dar cabo da película, a boa da Ginny quanto mais me via em cima do artista, mais pulava e ladrava.

Que drama. Sem o bicho parado. Sem tripé. De gatas. Pode lá sair alguma coisa de jeito?

A certa altura, o cruzado estancou, creio que desistiu de fugir e queria mesmo um confronto. Assustei-me, o cão também. Calou-se. Olhámos, como mandam as regras do Olhares para tomar fotos GP, olhos nos olhos... e quando ele investiu, eu zásssssssssss

A maquineta dos retratos cuspiu fogo, saltou, e disparou à queima roupa.

Dito de outro modo clickou.... o resultado está à vista

Tenho de me inscrever num Curso de Formação Profissional de Captação de Cruzados com Imagem Aprisionada, subsiadiado com fundos da Comunidade e extra laboral.

Só melhorando a tecnicidade nos empreendimentos, só com as "novas oportunidades" é possível salvar o país. E caçar cruzados com mais nitidez.

Aos caçadores profissionais,as minhas humildes desculpas, mas tinha de experimentar enfrentar um animal destes. A bem da nação, do interior, da ruralidade.

Viva o cruzado.

Sem comentários: